Aprendizagem por Projeto é o mesmo que Ensino por Projeto?

De LEC

Ir para: navegação, pesquisa

Voltar Ã? s Questões do LEC


Quando se fala, na educação presencial, em "ensino por projetos", pode-se estar falando do plano da escola, do projeto da escola, de projetos dos professores. Nesse tipo de ensino, quais são os critérios que os professores seguem para escolher os temas, as questões que vão gerar projetos? Que vantagens apresenta a escolha dessas questões? Por que elas são necessárias? Em que contextos? Que indicadores temos para medir seus níveis de necessidade? A quem elas satisfazem? Ao currículo? Aos objetivos do planejamento escolar? A uma tradição de ensino?

Na verdade, no ensino, tudo parte das decisões do professor, e a ele, ao seu controle, deverá retornar. Como se o professor pudesse dispor de um conhecimento Ã?ºnico e verdadeiro para ser transmitido ao estudante e só a ele coubesse decidir o que, como, e com que qualidade deverá ser aprendido. Não se dá oportunidade ao aluno para qualquer escolha. Não lhe cabe tomar decisões. Espera-se sua total submissão a regras impostas pelo sistema.

Porém, começamos a tomar consciªncia de nossos equívocos. Pesquisas, em psicologia genética, sobre o desenvolvimento da inteligªncia e sobre o processo de aprendizagem, evidenciam que pode haver ensino sem haver aprendizagem; que aprendizagem latu sensu se confunde com desenvolvimento; e desenvolvimento resulta em atividade operatória do sujeito, que constrói conhecimento quando está em interação com o meio, com os outros sujeitos e com os objetos de conhecimento de que ele deseje apropriar-se.

Quando falamos em aprendizagem por projetos estamos necessariamente nos referindo Ã?  formulação de questões pelo autor do projeto, pelo sujeito que vai construir conhecimento. Partimos do princípio de que o aluno nunca é uma tábula rasa, isto é, partimos do princípio de que ele já pensava antes.

E é a partir de seu conhecimento prévio, que o aprendiz vai se movimentar, interagir com o desconhecido, ou com novas situações, para se apropriar do conhecimento específico - seja nas ciªncias, nas artes, na cultura tradicional ou na cultura em transformação.

Um projeto para aprender vai ser gerado pelos conflitos, pelas perturbações no sistema de significações, que constituem o conhecimento particular do aprendiz. Como poderemos ter acesso a esses sistemas? O próprio aluno não tem consciªncia dele! Por isso, a escolha das variáveis que vão ser testadas na busca de solução de qualquer problema, precisa ser sustentada por um levantamento de questões feitas pelo próprio estudante.


Num projeto de aprendizagem, de quem são as dÃ?ºvidas que vão gerar o projeto?

Quem está interessado em buscar respostas?


Deve ser o próprio estudante, enquanto está em atividade num determinado contexto, em seu ambiente de vida, ou numa situação enriquecida por desafios.

Mas a escola, ou o curso pode permitir ao aluno escolher o tema, a questão que vai gerar o desenvolvimento de um projeto?

Ã?â?° fundamental que a questão a ser pesquisada parta da curiosidade, das dÃ?ºvidas, das indagações do aluno, ou dos alunos, e não imposta pelo professor. Isto porque a motivação é intrínseca, é própria do indivíduo.

Temos encontrado que esta inversão de papéis pode ser muito significativa. Quando o aprendiz é desafiado a questionar, quando ele se perturba e necessita pensar para expressar suas dÃ?ºvidas, quando lhe é permitido formular questões que tenham significação para ele, emergindo de sua história de vida, de seus interesses, seus valores e condições pessoais, passa a desenvolver a competªncia para formular e equacionar problemas. Quem consegue formular com clareza um problema, a ser resolvido, começa a aprender a definir as direções de sua atividade.


ENSINO X APRENDIZAGEM

Ensino por projetos Aprendizagem por projetos
  • Autoria:
Quem escolhe o tema?
Professores, coordenação pedagógica
Alunos e professores individualmente e, ao mesmo tempo, em cooperação
Contextos
Arbitrado por critérios externos e formais
Realidade da vida do aluno
A quem satisfaz?
Arbítrio da seqÃ?¼ªncia de conteÃ?ºdos do currículo
Curiosidade, desejo, vontade do aprendiz
Decisões
Hierárquicas
Heterárquicas
Definições de regras, direções e atividades
Impostas pelo sistema, cumpre determinações sem optar
Elaboradas pelo grupo, consenso de alunos e professores
Paradigma
Transmissão do conhecimento
Construção do conhecimento
Papel do professor
Agente
Estimulador/orientador
Papel do aluno
Receptivo
Agente




Referªncia: de Fagundes, Léa da Cruz - Co-Autoras Luciane Sayuri Sato/ Débora Laurino Maçada "Aprendizes do futuro: as inovações começaram!".
Ferramentas pessoais
Espaços nominais
Variantes
Ações
lec
comunidade
Navegação
Ferramentas